facebook pixel code

Ataque cardíaco não é um problema exclusivamente masculino. Cresce o número de mulheres que morrem por obstrução coronária não diagnosticada

Você sabia que mulheres vão muito mais a óbito do que os homens após a ocorrência de um ataque cardíaco?

 Ataque cardíaco não é um problema exclusivamente masculino. Cresce o número de mulheres que morrem por obstrução coronária não diagnosticada

13

JAN

Foi o que revelou uma pesquisa feita por pesquisadores britânicos e suecos.

Qual o motivo?

Elas recebem tratamento inadequado quando sofrem infartos.

Ué, mas como assim?

O socorro a infartados não é padrão?

Deveria, mas, pelos resultados da pesquisa, não são.

De acordo com os cientistas, as mulheres – acredite! – têm chances bem menores de passarem pelos mesmos testes que os homens ao darem entrada nos hospitais.

E este detalhe inusitado faz com que elas corram risco 50% maior de receberem...adivinha?....diagnóstico errado.

E investigação inadequada deixa a morte – resultante de ataque cardíaco – bem mais próxima.

Inconcebível que a diferenciação entre os sexos seja atestada até na hora de socorrer alguém enfrentando problemas de saúde, não?

Pois acontece. 

E acontece, também, porque infartos – sabe-se lá o porquê – são vistos como um problema genuinamente masculino. 

Imagina-se como únicas vítimas de insuficiência de sangue oxigenado na área do coração (decorrente da obstrução de uma veia coronária) homens de meia-idade, acima do peso, com diabetes e fumantes. 

Como se mulheres também não tivessem coração e não se enquadrassem nessas características. 

Pois é, mas o quadro é sério e merece toda a atenção possível. De acordo com a Fundação Britânica do Coração, o número de mulheres que morrem vítimas de doenças cardíacas supera – e muito – o daquelas que, por exemplo, morrem de câncer de mama.

Dá para imaginar?

São muitas mulheres perdendo a vida por negligência médica.

A pesquisa ainda revelou que, quando as mulheres são atendidas adequadamente e recebem os tratamentos recomendados, a diferença de mortalidade entre os dois sexos cai abruptamente.

[Fonte: G1 // Bem Estar]