facebook pixel code

Saiba como prevenir a intoxicação alimentar

Ok, a gente sabe que o assunto do momento é coronavírus, mas, em se tratando de saúde, é importantíssimo ficar de olho em todas as nuances de mazelas que podem nos acometer. 

Saiba como prevenir a intoxicação alimentar

24

MAR

Hoje, a gente veio te falar sobre intoxicação alimentar. Sabia que ela pode levar à desidratação?

Antes de qualquer coisa, vamos explicar – direitinho – do que se trata. Intoxicação alimentar é o resultado do consumo de alimentos contaminados com bactérias, vírus ou fungos que produziram toxinas.

Dados do Ministério da Saúde revelam que existem mais de 250 modalidades de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) e a maioria são infecções derivadas de bactérias e suas toxinas, vírus, fungos ou outros parasitas.

De novo, perto dos efeitos do coronavírus, pode parecer insignificante abordar as DTAs e seus efeitos, mas, a verdade é que elas têm chamado muita atenção por se relacionarem a problemas econômicos e de saúde pública.

Só no Brasil, a cada ano, são registrados 700 surtos de DTA. 

As DTAs podem atingir todas as pessoas, mas idosos e crianças – além dos indivíduos que vivem em regiões mais carentes – são considerados os mais vulneráveis.

As fontes mais frequentes de intoxicação são: peixe cru ou frutos do mar; carnes ou ovos mal cozidos; todo tipo de alimento preparado com utensílios (faca, tábua de carne, por exemplo) sem a devida higienização; água não tratada; derivados do leite (queijos, iogurtes etc.); alimentos que contêm maionese que estejam fora da geladeira por muito tempo.

E os sintomas mais frequentes de intoxicação alimentar são: vômito; dor ou desconforto abdominal e náuseas; Sensação de empachamento; Cólicas; Diarreia (maior ou menor volume; maior ou menor frequência); mal-estar geral associado a dor de cabeça; sensação de tontura ou desmaio; febre (mais raramente).

Para prevenir o problema vale, por exemplo, lavar sempre as mãos com sabão, limpar –imediatamente – respingos de alimentos na cozinha, manter carnes frescas separadas de frutas e vegetais que não serão cozidos, ficar atento (a) ao cozimento correto dos alimentos, evitar deixar carnes, peixes, aves ou comida pronta sem refrigeração por mais de 2 horas em temperatura ambiente e prestar máxima atenção à data de vencimento das embalagens dos alimentos.

Preste atenção os mínimos detalhes quando o assunto é a sua alimentação!


[Fonte: UOL // Viva Bem] 


icone do twitter