Música influencia nos sentimentos, sim, e traz muitos benefícios

Conta aqui para a gente...qual é a importância da música na sua vida?

Música influencia nos sentimentos, sim, e traz muitos benefícios

02

Há quem diga que a combinação harmoniosa e expressiva de sons foi a melhor invenção da Humanidade. 

Bom, não há dúvidas de que, se não foi a melhor, certamente, foi uma das grandes contribuições da inteligência humana.

A verdade – já constatada por diversos especialistas – é que a música nos influencia.

De que forma?

A gente te explica...

De acordo com alguns pesquisadores, a música afeta o caráter e a sociedade porque cada pessoa é capaz de trazer para dentro de si a harmonia ouvida e esta acaba por 

influenciar os pensamentos, as emoções, a saúde e os movimentos do corpo. Ou seja, a música tem impacto direto no bem estar do ser humano.

Se formos pensar bem, faz sentido mesmo.

Já parou para reparar como a música afeta nosso humor?

A música, de fato, altera nosso estado de espírito. Preste atenção como o corpo reage – imediatamente – às vibrações dos sons. Emoções são despertadas e elas interferem no 

funcionamento do organismo humano.

Há, inclusive, teorias que comprovam as reações de células e órgãos por meio das emoções que são deflagradas.

A comprovação de que tem efeito mesmo vem por meio, por exemplo, da musicoterapia, usada por muitas pessoas para diversos tipos de cura.

A música pode alterar e liberar partes reprimidas inscritas em nosso corpo. Cada um de nós traz em si – em forma de movimento – as marcas de nossa história. E 

apreendemos padrões de movimento que nos ditam / ditaram o que fazer ou deixar de fazer.

Utilizando aparelhos de diagnóstico por imagens, cientistas já se dedicaram a medir a liberação de dopamina e a atividade do cérebro. Em paralelo, sensores forma usados 

para informar a frequência cardíaca e respiratória dos voluntários, bem como suas temperaturas ou sinais de estremecimento de prazer no nível da pele.

Os resultados indicaram que a dopamina é liberada, antes do prazer associado à música ouvida, e durante o próprio pico de prazer, ou seja, no auge emocional. São dois 

processos fisiológicos distintos que envolvem diferentes regiões do cérebro.

O nível de liberação da dopamina varia com a intensidade da emoção e do prazer.

Interessante, não?



[Fonte: psicoter.com.br]



icone do twitter