facebook pixel code

Odontologia Intensiva - Redentor/AMIB

Pós-Graduação Carga Horária: 480 h Modalidade: Semi-presencial

Área de Conhecimento: Odontologia

Apresentação:

A importância dos cuidados bucais em pacientes hospitalizados, especialmente em terapia intensiva, tem sido alvo de inúmeras investigações, cujos resultados alertam para a necessidade de se implementar diretrizes adequadas e seguras 1,2,3. O desenvolvimento do biofilme bucal é um processo natural, porém alguns fatores intrínsecos do paciente e do ambiente devem ser considerados. Idade, tabagismo, etilismo, estado nutricional, qualidades da saúde e da higiene bucal, uso de antibióticos ou corticoides e permanência em ambiente hospitalar interferem significativamente em sua composição, resultando no aumento da quantidade e da complexidade deste biofilme 4. A literatura atual também evidencia que medidas de higiene bucal diminuem a colonização de patógenos na cavidade, com efeitos benéficos na prevenção da pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV)5,6.


A situação de imobilidade imposta ao doente ventilado mecanicamente, sobretudo o entubado orotraqueal, potencializa o desequilíbrio do ecossistema bucal. O rebaixamento do nível de consciência, sonolência, incapacidade para autolimpeza, deficiente controle oro-lingual, desidratação das mucosas e a falta de limpeza natural, feita pela mastigação e fala, favorecem o crescimento microbiano local e a colonização da cavidade bucal por patógenos ambientais 2.


A diversidade microbiana da cavidade bucal, potencializada por infecções periodontais e fúngicas, tão comumente encontradas no doente crítico 7, sugerem que a redução da carga microbiana das estruturas periodontais e de todos os nichos intra-bucais 8,9 - “full mouth disinfection”- visando a desinfecção de boca toda, possam ter papel relevante na prevenção das pneumonias aspirativas e sepse. A alta prevalência das doenças periodontais na população brasileira 10 permite inferir que boa parte desta, ao necessitar de cuidados terciários, apresente-se com algum foco de infecção periodontal advindo da comunidade. Ademais, as condições sistêmicas do doente hospitalizado principalmente o crítico e as terapias aplicadas nestes, favorecem a quebra da homeostase bucal e aumentam o risco de intercorrências significativas. Cabe ressaltar que evidencias clínicas e cientificas sugerem que cuidados odontológicos devem ser realizados antes de se estabelecer, junto à equipe de técnicas de enfermagem, a forma adequada de se proceder a higiene bucal 11,12.


A rota primária das infecções pulmonares é através da microaspiração de microorganismos potencialmente patogênicos (MPP) que colonizam a cavidade bucal, a orofaringe, e em menor grau, o trato gastrointestinal. Pacientes hospitalizados frequentemente tornam-se colonizados com MPP adquiridos do ambiente hospitalar, e 75% de pacientes gravemente doentes serão colonizados em 48 horas 13,14,15. A colonização da orofaringe por microrganismos Gram negativos, em pacientes sob ventilação mecânica, tende a ocorrer nas primeiras 48 a 72 horas após a admissão na UTI 4 e não raro ocorrem manifestação ou agravo de infecções periodontais, agudizações de lesões periapicais, mucosites, osteorradionecrose, infecções fúngicas, aumento da saliva residual mucinogênica e estagnação de matéria orgânica. Estas condições, associadas aos comuns e frequentes episódios de disfagia, predispõe a migração dos microrganismos bucais para os pulmões, via orofaringe, por aspiração do conteúdo da cavidade bucal através da saliva residual 3. Desta forma, sugere que a formação do Cirurgião Dentista direcionada ao diagnóstico, tratamento e controle das possíveis complicações bucais do doente, hospitalizado e admitido em unidades de terapia intensiva se mostra cada vez mais relevante.


Em fevereiro de 2010 a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária – tornou obrigatória a assistência odontológica em pacientes internados em unidades de terapia intensiva.


Objetivo:

- Capacitar Profissionais de Odontologia para o atendimento a pacientes internados em ambiente hospitalar e de terapia intensiva. Por meio de treinamento, associado a fortes bases conceituais e científicas, com eixo comum multiprofissional.

- Fomentará a atuação clínica integrada de forma direcionada a contribuir com seus conhecimentos específicos junto à equipe de saúde, elevando dessa forma a qualidade do serviço prestado à comunidade.

Disciplinas:

PRESENCIAL – 360H

01- ATUAÇÃO MULTIPROFISSIONAL EM CUIDADOS INTENSIVOS – 20H
Ementa: atendimento em equipe multidisciplinar; fluxo hospitalar; passagem de plantão e noções básicas de enfermagem, fisioterapia, fonoaudiologia, nutrição, psicologia e odontologia em ambiente hospitalar.

02- INTRODUÇÃO A ODONTOLOGIA HOSPITALAR – 20H
Ementa: biossegurança; escalas clínicas aplicadas à terapia intensiva; rounds e protocolos; paciente de alta complexidade; tipos de ventilação; nutrição; acessos e dispositivos no paciente crítico.

03- SEGURANÇA DO PACIENTE, GESTÃO DE RISCO E TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO HOSPITALAR (TI) – 10H
Ementa: rotinas hospitalares; comissão de controle de infecção hospitalar (CCIH); boletins e critérios no uso de medicamentos; vigilância epidemiológica e processamento do lixo.

04- PRÁTICAS DE ROTINAS HOSPITALARES – 15H
Ementa: ambientes hospitalar (ambulatório/PS/Enfermaria/Apto/UTI/Farmácia/CC e Central de Esterilização); estudo de prontuário físico e eletrônico; de exames de imagem (radiografias, videofluoroscopia, tomografia, ressonância magnética, ultrassonografia, exames de medicina nuclear) e de eletrocardiograma.

05- PROPEDÊUTICA CLÍNICA DIAGNÓSTICA INTEGRADA DOS PACIENTES – 20H
Ementa: semiologia; monitoração em terapia intensiva (interpretação dos sinais vitais); principais lesões da cavidade bucal no paciente hospitalizado.

06- PRÁTICA HOSPITALAR I – 24H
Ementa: atividade prática de monitoração em terapia intensiva; exames laboratoriais e exame clínico.

07- URGÊNCIA, EMERGÊNCIA E SEPSE – 10H
Ementa: teoria e discussão clínica de emergências médicas aplicadas a Odontologia; fisiopatologia da Sepse ; o papel do Cirurgião Dentista na prevenção da Sepse.

08- TEORIA E PRÁTICA LABORATORIAL: CURSO DE BLS SUPORTE BÁSICO DE VIDA – 15H
Ementa: procedimentos emergenciais na parada cardiorrespiratória e na obstrução de vias aéreas.

09- FARMACOLOGIA APLICADA – 15H
Ementa: prescrição, farmacologia clínica, antibioticoterapia; controle químico de biofilme bucal em hospital e sedo analgesia.

10- PRÁTICA HOSPITALAR II – 14H
Ementa: interações medicamentosas e efeitos adversos.

11- DROGAS VASOATIVAS, ANTIAGREGANTES PLAQUETÁRIOS E ANTICOAGULANTES – 10H
Ementa: principais drogas vasoativas; farmacocinética dos antiagregantes plaquetário e anticoagulantes.

12- MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS MAIS PREVALENTES EM AMBIENTE HOSPITALAR I – 10H
Ementa: doenças Periodontais em suas diferentes manifestações; periodontia médica; controle mecânico do biofilme bucal; drenagens de abscessos intra-bucais.

13- PRÁTICA HOSPITALAR III – 14H
Ementa: atendimento odontológico em equipe multidisciplinar nos diversos ambientes hospitalares (UTI, Centro Cirúrgico, Ambulatório, pronto Socorro e enfermaria) Participação nos rounds clínicos.

14- MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS MAIS PREVALENTES EM AMBIENTE HOSPITALAR II – 10H
Ementa: completo edentulismo; lesões de cárie e raízes residuais; mucosites; infecções oportunistas: fúngicas, virais, bacterianas e parasitárias.

15- PRÁTICA HOSPITALAR IV – 14H
Ementa: atendimento odontológico em equipe multidisciplinar nos diversos ambientes hospitalares (UTI, Centro Cirúrgico, Ambulatório, pronto Socorro e enfermaria) Participação nos rounds clínicos.

16- PROCEDIMENTOS EM CENTRO CIRÚRGICO – 15H
Ementa: quando, como e porque realizar procedimentos no centro cirúrgico; discussão Clínica de cirurgias que envolvam estruturas de cabeça e pescoço; tipos de sedação.

17- PRÁTICA HOSPITALAR V – 24H
Ementa: atendimento odontológico em equipe multidisciplinar nos diversos ambientes hospitalares (UTI, Centro Cirúrgico, Ambulatório, pronto Socorro e enfermaria) Participação nos rounds clínicos.

18- PRÁTICA HOSPITALAR PERIODONTAL I – 25H
Ementa: seminários de Integração: discussões clínicas multidisciplinares de especialidades da odontologia, discussões clínicas multidisciplinares de especialidades da Medicina.

19- PRÁTICA HOSPITALAR PERIODONTAL II – 25H
Ementa: seminários de Integração: discussões clínicas multidisciplinares de especialidades da odontologia, discussões clínicas multidisciplinares de especialidades da Medicina.

20- PRÁTICA HOSPITALAR PERIODONTAL III – 25H
Ementa: seminários de Integração: discussões clínicas multidisciplinares de especialidades da odontologia, discussões clínicas multidisciplinares de especialidades da Medicina.

21- APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO – 25H

EAD – 120H

01- BIOÉTICA EM SAÚDE E GESTÃO HOSPITALAR; REFERÊNCIA E CONTRA REFERÊNCIA (SUS) – 10H

02- HUMANIZAÇÃO EM UTI (INFRAESTRUTURA, COMUNICAÇÃO, PREVENÇÃO DAS PICS, DETECÇÃO/PREVENÇÃO DO BOURNOUT) – 10H

03- METODOLOGIA CIENTÍFICA – 10H

04- ATENDIMENTO A PACIENTES PNEUMOPATAS; COM ALTERAÇÕES OTORRINOLARINGOLÓGICAS E POLITRAUMATIZADOS – 10H

05- ATENDIMENTO AO PACIENTE GESTANTE, NEONATOLOGIA, PEDIÁTRICOS, ALTERAÇÕES GENÉTICAS – 10H

06- LASERTERAPIA – 10H

07- ATENDIMENTO AO PACIENTE NEUROPATA E COM DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS – 10H

08- DISTÚRBIOS METABÓLICOS; CARDIOPATAS E COAGULOPATAS – 10H

09- CUIDADOS PALIATIVOS – 10H

10- PACIENTES ONCOLÓGICO; COM ALTERAÇÕES HEMATOGÊNICAS – 10H

11- PACIENTES NEFROPATAS, HEPATOPATAS E COM ALTERAÇÕES NO TRATO GASTROINTESTINAL – 10H

12- PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS RELACIONADOS AOS CUIDADOS DE SAÚDE E DESOSPITALIZAÇÃO – 10H

Pré-requisitos:

De acordo com a Resolução 1, de 3 de abril de 2001 da CES/CNE/MEC, que estabelece normas para o funcionamento dos cursos de Pós-graduação, fica definido que o curso deve ser oferecido a portadores de Diploma de Odontologia.




Público Alvo:

Cirurgiões Dentistas


COORDENADOR

PROFESSOR


icone do twitter