facebook pixel code

Para entender o prolapso da válvula mitral

Você já ouviu falar sobre prolapso da válvula mitral (PVM)? Sabe do que se trata?
Para entender o prolapso da válvula mitral

04

MAI

É um defeito congênito do coração, uma falha que surge quando a válvula mitral do coração ainda está sendo formada, no ambiente uterino.

Para que você entenda melhor, a válvula mitral é composta por - digamos - duas espécies de... "folhetos". Estes "folhetos" se abrem (da mesma forma que as portas de saloon nos filmes de cowboys) e, quando o sangue termina de passar, se fecham, encostando – vigorosamente – um folheto no outro, bloqueando a passagem completamente.

A estrutura do coração conta com quatro câmaras: dois átrios e dois ventrículos. A "armação cardíaca" ainda compreende quatro válvulas ou valvas: aórtica, mitral, tricúspide e pulmonar. As válvulas são estruturas localizadas na saída de cada uma das quatro câmaras cardíacas e impedem que o sangue bombeado retorne para a câmara que o expulsou. Nesta conformação, as válvulas agem como comportas.

Quando ocorre algum problema no fechamento e o sangue retorna para uma das câmaras, desenha-se o quadro chamado de regurgitação (ou insuficiência).

Já no caso de deficiência na abertura da válvula - que impossibilita a livre passagem de sangue - quando acontece fica configurada situação de estenose.

Estima-se que a prevalência correta do PVM esteja abaixo de 2,5% de população.

Nem sempre aqueles que têm prolapso mitral apresentam sintomas, mas quando estes se revelam, podem ser: dor no peito não anginosa; palpitações; cansaço resultante de esforços; falta de ar; tonturas; síncope; síndrome do pânico ou distúrbios de ansiedade; dormências nos membros e alterações não específicas no eletrocardiograma.

Pacientes portadores de prolapso mitral correm maior risco de desenvolvimento de crises de pânico e ansiedade. Nestes casos, inclusive, é recomendável que sejam encaminhados à consulta com psiquiatra com vistas ao controle adequado dos sintomas.

Mudanças no estilo de vida, como praticar exercícios aeróbicos, cortar cafeína, reduzir o consumo de álcool e levar uma vida menos estressante, podem melhorar muito os sintomas da síndrome do prolapso mitral.

[Fonte: http://www.mdsaude.com]

icone do twitter