facebook pixel code

Primeiro remédio para combater depressão pós-parto é autorizado pelo FDA

Boa notícia para mães que são acometidas pela depressão pós-parto: o FDA – agência americana responsável pela regulação de alimentos e medicamentos – anunciou, recentemente, a liberação do primeiro remédio criado, especificamente, para combater o problema.

Primeiro remédio para combater depressão pós-parto é autorizado pelo FDA

09

ABR

A brexanolona (que terá, nos EUA, o nomem comercial Zulresso) é de responsabilidade do laboratório Sage Therapeutics. Sua ação – de acordo com o fabricante – pode ser observada nas pacientes em até 48 horas, porém, segundo a FDA, é necessário que a droga seja administrada por via intravenosa ao longo de 60 horas.

A aplicação tem – obrigatoriamente – de ser feita em um centro médico e os efeitos colaterais apontados dão conta de sonolência e tontura.

A depressão pós-parto é a mais frequente das doenças relacionadas à gravidez (atinge mais de 25% das brasileiras e, nos EUA, é registrada em uma a cada sete mulheres) e é a primeira vez que ganha tratamento considerado mais direcionado e eficiente.

Por que mais direcionado?

Porque até então as pacientes eram tratadas com antidepressivos comuns, cujos efeitos podiam demorar semanas ou, simplesmente, nem acontecer.

Mas o que é, exatamente, a brexanolona?

Trata-se de uma versão sintética do alopregnanolona, hormônio esteroide que o corpo humano fabrica naturalmente. Ao longo da gravidez, os níveis de alopregnanolona aumentam – de acordo com estudos, até quase 30 vezes – regredindo a seu nível normal logo após o parto.

É esta grande oscilação do hormônio que é considerada a responsável por mudanças no cérebro que, em algumas mulheres, contribuem para a depressão e a ansiedade.

– Ah, mas será que isso funciona mesmo? – você pode estar se perguntando aí.

Funciona!

Para se chegar a tal conclusão foram realizados dois testes clínicos, com cerca de 250 mulheres, de idades entre 18 e 45 anos, que tinham depressão pós-parto. Ao longo de um período de 60 horas após a ingestão da droga, metade das mães que a tomaram não apresentava mais sinais clínicos de depressão. E os efeitos de uma única administração do medicamento duraram até 30 dias!

Não é uma excelente notícia?


[Fonte: O Globo Online // Saúde]