facebook pixel code

Raiva: a vacinação é a única saída para frear a doença e é responsabilidade de todos que têm animais de estimação

Você ficou sabendo que, meses atrás, foi registrado um caso de raiva humana em Santa Catarina?

Raiva: a vacinação é a única saída para frear a doença e é responsabilidade de todos que têm animais de estimação

14

AGO

Pois é, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE-SC) confirmou: a causa de morte de uma mulher de 58 anos – moradora de área rural e que foi mordida por um gato – foi raiva.

Eis um alerta importantíssimo para a população em geral e para os serviços de saúde.

É preciso que sejam adotados procedimentos de atuação mais rigorosa e informativa a respeito da vacinação e dos cuidados preventivos gerais.

É bem simples de entender: quem age de forma irresponsável no que tange à imunização dos animais de estimação não coloca apenas a própria saúde em risco, expõe – também – os familiares e demais pessoas que tem contato.

A raiva – para que você entenda direitinho – é uma das doenças infecciosas mais antigas e letais que acompanham a Humanidade. A afecção atinge mamíferos como cães, gatos, bovinos, cavalos, macacos, morcegos...e pessoas.

Sim, pessoas!

A enfermidade pode ser transmitida a humanos, principalmente pela saliva de animais infectados, mas, também por meio de arranhões e do contato com secreções e excrementos.

Assim que penetra no organismo, o vírus multiplica-se no ponto de inoculação permanecendo por algum tempo no local. A partir daí alcança a inervação periférica, caminha em direção ao sistema nervoso central chegando ao cérebro e então se dissemina por vários órgãos e glândulas salivares, onde se replica e é eliminado.

Os sinais clínicos mais comuns da raiva incluem grande mudança no comportamento, agressividade, fotofobia, redução de apetite e ingestão hídrica. No estágio final ocorrem convulsões e paralisia de membros, podendo levar, sim, à morte. 

É importante, também, ter – muito – claro que raríssimos são os casos relatados em que o tratamento de infectados teve resultado positivo. Dados oficiais já apontaram que a raiva apresenta letalidade próxima de 100%.

Não tem jeito, a maior arma contra a raiva é a ação profilática, ou seja, providenciar a vacinação dos animais de estimação e, atualmente, de pessoas que têm ou tiveram alguma proximidade com casos já relatados.


[Fonte: blog.inpulse.vet.br]